Desempenho do crédito rural cresce 8% para safra 2019/2020

Durante os primeiros meses do Plano Safra 2019/2020, entre julho/2019 a janeiro/2020, os agricultores brasileiros pegaram financiamento nas instituições financeiras no valor de R$ 116,7 bilhões. O montante equivale a uma alta de 8%, comparado ao período anterior. Em operações de custeio, comercialização e industrialização alcançaram R$ 84,6 bilhões, já os investimentos atingiram R$ 32 bilhões.

Os números fazem parte do Balanço de Financiamento Agropecuário da Safra 2019/2020, divulgado nesta segunda-feira (10) pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com base nos dados do Sistema de Operações do Crédito Rural e do Proagro (Sicor), do Banco Central.

As contratações de custeio pelos médios produtores (Pronamp) tiveram expressivo aumento na atual safra (44%), somando R$ 15,38 bilhões, sobretudo as realizadas com recursos obrigatórios (62%), provenientes dos depósitos à vista nos bancos comerciais.

De acordo com a Secretaria de Política Agrícola, merece destaque o fato dos financiamentos de custeio aos grandes produtores, realizados com recursos livres da LCA (Letra de Crédito Agronegócio) e da Poupança Rural, terem aumentado 14% e 87%, respectivamente. Também aumentaram os financiamentos de investimento com recursos livres (+102%). Houve redução de 27% nos financiamentos com recursos da Poupança Rural com Subvenção Econômica.

“Esses resultados estão alinhados com o objetivo da política de crédito rural, de redução gradual da participação desses produtores nos financiamentos a juros controlados, especialmente os que resultam em ônus para o Tesouro”, observa o diretor de Financiamento e Informação da SPA/Mapa, Wilson Vaz de Araújo.

Com informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento